Questão de pele de cobra, de aranha e de bicho-pau

19 Nov

20121119-041232.jpg
Essa era, ou quem sabe ainda é, uma cobra siciliana. Largou sua pele de serpente para crescer e continuar passeando por Avola. Loretto estava na garupa da minha bicicleta e viu, sob um montoado de folhas secas, um pedacinho da pele. “Para, para a bicicleta!”. Desceu correndo e pegou. Era gigante, estava quase intacta. Uau! Incrível! Daí, guardamos em uma garrafa plástics vazia para não estragar na bagagem. Amassou um pouco, rasgou outro pouco, mas deu para trazer quase completa e colocar neste porta-retrato. Volta e meia, Loretto abre para brincar com ela. A cobra deve estar por lá ainda, largando a pele para outros meninos curiosos pegarem.

20121119-041416.jpg
A história dessa aranha é linda demais e só está no começo. O Lanfranco Tronconi a criou por quinze anos e essa pele aí é de quando ela tinha 10 anos. O Lanfranco guardou, guardou, guardou, guardou a pele por muito tempo. Hoje ele é biólogo e trabalha no Instituto Butantã. E é pai da Isabelinha, que estudava com o Loretto até 2011. Quando o Loretto soube que o pai da Isabelinha era biólogo e, ainda por cima, trabalhava no Butantã, queria encontrar com ele em todas as festas para mostrar seus livros, seus besouros… Um dia, o Lanfranco deu a pele da aranha para o Loretto, que a guarda como se fosse um tesouro na caixinha de acrílico. E prometeu guardar para sempre e só dar para alguém quando ficar muito muito muuito velhinho e, ainda assim, só se esse outro alguém gostar de bicho tanto ou mais do que ele.

20121119-042246.jpg
A gente já sabia que o Bicho-pau ia soltar a pele. Mas no dia em que aconteceu, nossa… foi demais! Acordamos e, como de costume, fomos lá dar uma olhadinha nos casais de bicho-pau. A pele estava lá, em pé, transparente, como se fosse um bicho-pau fantasma. Era tão impressionante. Era a pele de uma das fêmeas. Ela parecia remoçada, mais clara, mais feliz sem a pele velha. Saiu tudo, até a antena. O Loretto tirou a pele da gaiola e a gente decidiu mandar emoldurar. Com o vidro ela ficou assim, plana. Quando houver nova troca de pele de bicho-pau por aqui, eu fotografo ela antes de colocar no vidro. O Emiliano, biólogo da USP que presenteou o Loretto com os insetos, disse que outras peles sairão. Eba!

E a gente fica pensando: será que dói quando as peles das cobras, aranhas e bicho-pau saem? O que será que eles sentem? Será que a primeira troca de pele é igual a queda do primeiro dente de leite? Tudo questão de pele…

4 Respostas to “Questão de pele de cobra, de aranha e de bicho-pau”

  1. Mônica Nunes 19 de Novembro de 2012 às 12:26 #

    Incríveis sao o amor e a curiosidade que o Loretto tem pelos bichos! Amei o post. Obrigada por compartilhar os pensamentos e o cotidiano desse garoto pra lá de esperto. Será que ele vai ser biologo? Um cientista? Tem jeito. Bjs paa os dois.

    • marcinhacarini 19 de Novembro de 2012 às 13:24 #

      Obrigada, Mônica! O Loretto é um cara divertido. Ele diz que pensa em estudar biologia, mas quer ser fotógrafo de bicho… Vamos acompanhando as descobertas dele… Beijos

  2. Anónimo 27 de Dezembro de 2012 às 16:59 #

    Feliz 2013!!!

    • marcinhacarini 28 de Dezembro de 2012 às 8:17 #

      Eba! Para vocês também! Beijão

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: