Hervé Fischer: de graça até carimbo na testa

16 Mar

IMG_3749Loretto olhou carimbo por carimbo, escolheu o que dizia ORIGINAL e – ploft – carimbou a testa. Um grupo de adolescentes que estava na exposição ficou olhando para essa atitude bem doida, como se o Loretto fosse uma própria extensão das obras de Hervé Fischer. Não sei se o Hervé Fischer, filósofo, artista e contestador da arte, teria pensado neste uso quando criou o livro Arte e Comunicação Marginal. Os carimbos fazem parte de uma encomenda para vários artistas, propondo uma nova perspectiva coletiva, participativa, digamos “reproduzível” da arte. E estavam todos em um mesa, no MAC da USP, na exposição que vai até 28 de julho de 2013. Todo mundo pode carimbar a mesa. E o Loretto carimbou o corpo todo: começou pela testa e foi até o pé.

O mais significativo para mim não foi ter o menino todo carimbado, como um tatuado mirim. Isso era até previsível. O legal, de verdade, foi uma das adolescentes ter feito a mesma coisa na sequência. Vendo o Loretto carimbado na testa, ela se empolgou, pegou o mesmo carimbo e – ploft – fez igual. Já não era original, mas, ao mesmo tempo, foi.

IMG_3730

A simpática Natália que estava no MAC com os amigos justamente pesquisando o que é a arte e para que ela serve

IMG_3739

Um registro do Loretto para e sobre a obra de Hervé Fischer

IMG_3741

Arte? Loretto já carrega o questionamento na pele

IMG_3747

A arte é urgente. E, ao mesmo tempo, não tem pressa.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: